Saiba como transportar seu cachorro com conforto e segurança durante viagens

Apesar dos cachorros adorarem ficar na janela, eles devem ir no banco de trás, presos ao cinto de segurança | Divulgação

1. Transporte

A forma que seu pet é transportado é muito importante para sua segurança. Segundo o veterinário Marcelo Quinzani, do Hospital Veterinário Pet Care, gatos devem ser transportados exclusivamente em caixas específicas, adequadas ao tamanho do animal, e presas pelo cinto de segurança no banco traseiro. Os cães podem ir dentro de caixas de transportes nas mesmas condições dos gatos ou soltos, sentados no banco traseiro com peitoral que se prende ao cinto de segurança sem colocar em risco de queda ou movimentação excessiva. Quinzani explica que toda caixa de transporte tem adaptações na parte de cima para passar o cinto de segurança do carro e prender ao banco. Já para os cães que vão fora da caixa, existe no mercado adaptadores que prendem o peitoral ao fecho do cinto de segurança adaptado ao tamanho do animal. O médico veterinário Michel Ferreira Fasanelo Gomes alerta que o animal nunca deve viajar no banco da frente.

2. Descanso

O tempo de parada vai sempre depender de como seu animal é, mais agitado ou mais tranquilo. Segundo o veterinário Quinzani, normalmente se recomenda paradas a cada duas ou três horas. “Há cães mais acostumados que viajam tranquilos por mais tempo e outros que ficam ansiosos e ofegantes, e obrigam a paradas em tempos menores”, explica Quinzani, que diz que os gatos não devem ser retirados das caixas durante a viagem ou mesmo nas paradas, pois correm o risco de fugir. Já os cães devem ser retirados das caixas ou dos cintos de segurança e podem caminhar por alguns minutos em locais apropriados, como praças de postos de gasolinas.

3. Temperatura

As condições de temperatura dentro do carro são muito importante para o pet se sentir bem. Segundo o veterinário Gomes, o ideal é viajar com os vidros fechados e ar-condicionado ligado em temperatura agradável, por volta de 22oC. Caso não tenha ar-condicionado no carro, as janelas podem ficar um pouco abertas, mas o animal nunca pode ficar com a cabeça para fora, alerta Gomes. O calor pode ser o maior inimigo dos cães e gatos nas viagens. De acordo com Quinzani, eles não toleram altas temperaturas que associadas ao estresse e ansiedade podem levar à hipertermia e até à morte.

4. Para acalmá-lo

Há animais que ficam muito ansiosos durante a viagem. Para evitar que a situação fique mais estressante, o melhor é acostumá-lo a viajar e usar o carro mesmo que em trajetos curtos. Filhotes acostumados desde pequenos a viajarem de carro costumam encarar a viagem com mais tranquilidade. Gomes diz para levar brinquedos que o pet esteja acostumado e de preferência os que mais gosta. Para animais não acostumados, é recomendado o uso de feromônios (sprays que deixam odores que acalmam), e uso de caixa de transporte que já esteja acostumado. Sedativos somente são indicados em casos extremos e sempre com a prescrição do veterinário.

5. Identificação

De acordo com Quinzani, o atestado de saúde emitido pelo médico veterinário somente é exigido nas viagens aéreas nacionais e internacionais. Para o transporte terrestre dentro do país não é necessário o atestado de saúde, somente a carteira de vacinas atualizada. Segundo Gomes, é muito importante, seja para onde for a viagem, que o pet esteja devidamente vacinado, vermifugado e usando algum antiparasitário para pulgas, carrapatos e mosquitos.

Ele não vai poder ir?

Nem sempre é possível levar seu amigão na viagem, então você terá que procurar alguém que fique responsável pelos cuidados dele. Há várias opções e tudo depende das características do pet. Segundo Gomes, para muitos animais o melhor é não trocar o ambiente e mantê-lo em casa. Nesse caso, um amigo ou um cuidador teria que ir até a casa ao menos duas vezes ao dia para dar alimento e fazer a limpeza. “O ideal é que a primeira vez que o animal fique longe dos donos e da rotina, não ultrapasse dois dias”, diz Gomes. Quinzani explica que a ausência por longos períodos pode causar depressão em alguns animais que sentem saudades do dono ou da casa. Outra opção são os hotéis para cães e gatos. A grande vantagem dos hotéis é que há permanente supervisão de alguém, caso haja algum “acidente” ou mudança de comportamento que indique algo de errado.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *