Jamais vou entender esse fenômeno chamado carnaval. Na ponta da caneta por Claudir Benini – Jornalista e Editor/Grupo Volp de Comunicação

Um povo sofrido, roubado, explorado e muitas vezes sem perspectivas, de uma hora para outra explode numa alegria sem motivo, sem limites, sem pudor.
Homens que até sexta feira trabalhavam de terno e gravata vão para as ruas maquiados, vestidos de mulher, soutien por cima dos peitos, braços e pernas cabeludos, numa imitação grotesca e sem sentido do sexo feminino. Mulheres que se matam no trabalho, muitas vezes degradante e mal remunerado; sofrem nas filas de hospitais e creches, aparecem na passarela cobertas de brilho e rebolando, como se não houvesse o amanhã.
Dado o tamanho do chapéu para cada cabeça. Os homens no poder adoram essa orgia sem sentido, porque pelo menos por alguns dias, o povo está olhando pro outro lado, enquanto eles continuam sugando cada gota de sangue e cada centavo que puderem roubar, desviar, redirecionar..ise o verbo que melhor lhe convier…
As ruas estão tomadas de foliões urrando de alegria e eu me pergunto, tanta alegria porque?
Sua vida melhorou de ontem para hoje? Seu salário aumentou? Seu filho estuda numa boa escola pública? Se você cair de um trio elétrico e quebrar a cabeça, vão te levar para um bom hospital público? Você terá água em casa, para tomar banho, quando voltar dessa farra?
Você irá pra rua com essa mesma vontade se for para protestar contra toda essa roubalheira absurda que está destruindo nosso País? É por isso que os governantes adoram carnaval e jamais vou entender porque nosso povo é tão alienado.

 

napontadacaneta@claudirbenini.com.br

 

Adaptado Liberatun/Jabor

 

 

Deixe uma resposta

  1. Esse texto me chegou pelo zap atribuído ao Arnaldo Jabor a respeito do carnaval.. E também pelo zap tem um texto de resposta rolando que eu achei perfeito. Vide a seguir:

    Em primeiro lugar, é preciso informar que o texto não é e nem nunca foi do Jabor (vide http://www.boatos.org/brasil/arnaldo-jabor-criticando-carnaval.html). O original é um texto bem mais ameno criado em Bento Gonçalves/RS, e posteriormente modificado por alguns blogueiros que odeiam o carnaval e adicionaram comentários para deixá-lo mais agressivo e impactante. O nome de Jabor faz o texto mais importante e assim, ser distribuído para uma quantidade muito maior de leitores do que se a autoria fosse atribuída a um desconhecido.

    Mas não vamos nos prender na autoria e sim ao texto. O autor fala que o brasileiro é “alienado” pelo carnaval. Temos que começar falando em percentuais. O Carnaval em várias cidades do Brasil não existe. Em várias outras só são duas noites de festa (no domingo e na terça). Em outras, temos de sábado a terça. Em somente cinco (Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Olinda e Recife) temos 10 dias (considerando as festas de rua antecipadas). Vamos fazer uma média então? Ficamos com uma média de 4 dias para todas as cidades do Brasil (até muito!!!). Se pensarmos em 365 dias no ano, são 4 de “alienação” (percentual de 1,10%) contra 361 (percentual de 98,90%).

    Será que o Carnaval é mesmo fonte de alienação?

    Teoricamente, eu penso que esta “alienação” abordada no texto seriam os momentos em que o sujeito não está brigando pelos seus direitos sociais, trabalhistas e políticos. Ou seja, quando não está frequentando: reuniões sindicais e partidárias (ninguém vai!!!) para pressionar a liberação de somente candidaturas de candidatos dignos e honestos; momentos em que não está indo brigar por seus direitos nas reuniões dos Conselhos Municipais e Estaduais de Educação, Saúde, Assistência Social, etc. que permitem participação popular (nunca ninguém vai nos 361 dias restantes do ano!!!); participar de seções das diversas Câmaras, Assembleias e Congressos Municipais, Estaduais e Federais para brigar por seus direitos (somente uns gatos pingados vão e, quase sempre, por interesses específicos); etc.

    Então são os 4 dias de Carnaval que torna o povo alienado? Vou citar abaixo uma pequena lista de atividades que são muito mais alienantes do que o carnaval, pois ocorrem muito mais vezes nos 361 dias restantes do ano do que os 4 minguados dias da festa momesca. E faço as mesmas perguntas do texto: enquanto você “OTÁRIO” está perdendo tempo com estas “ORGIAS” abaixo, sua vida melhora? Seu salário aumenta? Você terá uma boa escola ou Hospital? Então me explica seu “TROUXA”, por que está perdendo tanto tempo com tudo isto?

    Vejamos então uma pequena lista de “alienantes”: Os adjetivos usados acima e abaixo (em caixa alta e entre aspas) não são nossos. São os usados no texto.

    * Telenovelas: acontecem das 18 as 22 horas de 6 dos 7 dias de TODAS as 52 semanas do ano (312 dias no ano). Quer alienante maior? Quando incorporam no contexto algum fator político é por interesse dos donos da emissora para manipular a população alienada…

    * Esportes em geral – futebol principalmente, mas também vôlei, basquete, automobilismo (Fórmulas 1. Indi, etc.), MMA, Surf, Tênis, etc. Os “TROUXAS” estão perdendo tempo jogando, assistindo na TV ou indo a estes eventos ao invés de ir brigar por seus direitos?

    * Barzinhos, Restaurantes, boates: porque você “OTÁRIO” está “ALEGREMENTE” frequentando estes locais (em alguns casos várias vezes por semana) ao invés de ir pras instituições públicas brigar por seus direitos? Tomar umas cervejinhas no boteco com os amigos, jantar fora, curtir a night, resolve os problemas do país?

    * Cultos religiosos (todas as religiões): em raríssimas oportunidades pregam a conscientização contra o que vemos atualmente no cenário político do país. Geralmente a imagem que passam é que as coisas são assim “por que Deus quer”, alienando os seguidores da luta para modificar a realidade. Algumas até vêm incorporando o viés político, mas com intenções puramente eleitoreiras de eleger seus pastores e ganharem mais dinheiro…

    * Jogos de mesa (Dominó, baralho, damas, xadrez, etc.) e nos cassinos: porque você “OTÁRIO” perde tempo com jogos ao invés de estar indo para rua brigar por seus direitos?

    * Games em computador, celular, tablet, console de TV (X Box, PS3, PS4, Nintendo, etc.): idem;

    * Levar os filhos ao parque, piquenique, acampar: esqueçam todos estes “alienantes”. Vocês tem é que brigar por seus direitos…

    * Ir à praia, ao rio ou à piscina com a família ou para pescar: pára de perder tempo com estas “bobagens”… Você tem que levar sua família é para a Câmara de Vereadores para exigir seus direitos…

    * Viagens turísticas nas férias, fins de semana, feriados, etc.: a única viagem que você tem direito fazer é pra Brasília, para porta do congresso ou Câmara para brigar por seus direitos. O resto é alienante… Viajar, com filhos, esposas, pais, enquanto os caras estão roubando? Não pode…

    * Cinema, Teatro, Shows musicais, etc.: ocorrem os 365 dias do ano (inclusive também nos dias do Carnaval). Enquanto estão alienados vendo ou frequentando estes eventos, os caras estão te roubando. Então acaba com isso…

    * Passeio em Shoppings, compras em lojas: Enquanto você gasta seu parco salário, os caras estão te roubando. Então pára com isso também…

    Finalizando: tem dezenas (talvez centenas) a mais de opções de lazer e que quando somadas as horas, é muito mais tempo desprendido do que 4 (chegando até 10 de acordo com a cidade) dias de carnaval em um ano. Nem por isso acho que sejam alienantes. E muito menos o carnaval. O lazer é um direito de todos. E o carnaval é um deles. Ninguém vai viver somente do trabalho pra casa e de casa para a luta por seus direitos e vice-versa. Acho que na vida dá para arrumarmos tempo para todas as coisas. E as pessoas precisam ser respeitadas e não serem agredidas quando chamadas de “OTÁRIOS e TROUXAS” por suas preferências particulares.

    Com certeza, se os “CANALHAS DO PODER” adoram o carnaval “ALIENANTE” por 4 a 10 dias, então amam muito mais estas outras opções que desconectam a população da realidade do país por todo o ano.

  2. O carnaval não é alienação, tanto é verdade que a situação do país desde sempre foi satirizada no carnaval. Se todos pensarem como você então cancelaríamos tudo. Afinal de contas comemorar dia das mães? Quando as mulheres são desrespeitadas diariamente nesse país, recebem salários inferiores pra fazerem as mesmas tarefas que os homens, apanham, são estupradas e mortas pelos próprios companheiros. Porque o Natal? Afinal de contas o país esta em crise, muita gente desempregada ou teve seu salario reduzido, empresas estão quebrando como sair pra gastar o seu pouco dinheiro com comidas e presentes??

    O carnaval não é alienação, o fato é que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Não é porque o país esta com problemas que devemos esquecer quem somos.
    E eu nem gosto de carnaval, mas eu defendo a festa como um movimento cultural brasileiro.

  3. Aqui pra nós e a torcida do Flamengo, o Arnaldo Jabosta já escreveu muita besteira. Aliás, quase só besteiras. Mas essa não lhe pode ser creditada. O texto é de um outro cara, Claudir Benini, tão besta quanto o aludido Jabosta. Fica parecido com os “antigamentes”, quando toda piada política era creditada ao Chico Anísio, Millor ou ao Juca Chaves. Contanto que fosse citada uma pessoa de credibilidade, O que o Jabosta não é.
    Sair na sexta de carnaval de paletó e gravata e passar batom, sair de calcinha e sutiã é prerrogativa de cada ser humano. O nome disso é extravasar!!! É jogar fora todo o peso da responsabilidade diária, na luta pela sobrevivência, antes que os manicômios, assim como os corredores dos hospitais, também apresentem super-lotação.
    Se o indivíduo der ouvidos a esse bestalhão e ficar enfurnado em casa (vendo aquele pessoal de tanguinha, de batom, fazendo as maiores merdas, mas transmitidas pela Globo) iria mudar em que a podre estrutura do nosso país? O Brasil iria exportar mais? A Petrobras não seria destroçada? O rei e os amigos do rei iriam roubar menos? A nossa porca mídia iria deixar de perseguir, desonestamente, as pessoas de quem ela não gosta? O mensalão tucano (1998) seria, enfim, julgado? A faixa de Presidente seria devolvida à Dilma e metade do Congresso iria pra cadeia, por ladroagem, difamação e calúnia.
    Extravasar é preciso, sim senhor!!!
    Por isso vamos aos estádios, ver um sofrível jogo de futebol e gritamos, botando os bofes pra fora e aproveitamos para esculhambar a mãe do Juíz.
    Por isso festejamos Natal e ano novo, na maior hipocrisia, bebendo, gritando, dançando e fazendo promessas inconseqüentes.
    E deixar de fazer isso, não vai nos trazer novas creches nem melhorar o atendimento dos hospitais da Rede Pública. Nem da Privada, aliás, que deveria estar na privada.
    Mas… cada cabeça, cada sentença.
    Se você quer que sua vida melhore de hoje para amanhã, seu salário aumente (o imbecil do autor parece esquecer de quem segura as rédeas no país, atualmente…), seu filho tenha ótimas escolas públicas… pare já de brincar o carnaval, seu irresponsável! Quarta-feira de cinzas está chegando…

    • Muito boa sua defesa em prol do carnaval. São opiniões diferentes apenas isso, mas as palavras de ofensa que me dirige aqui são grotescas e estúpidas. Cada um dá o que tem não é mesmo? Quanto ao parar o carnaval, não pulo carnaval, tenho passado meu tempo trabalhando para bancar meu estilo de vida.