Agroindústria de vinho colonial é inaugurada em Garibaldi

Aldo Lazzari e família, moradores de Marcorama, estão entre os primeiros do Estado a se certificar para comercializar vinho colonial, de acordo com a Lei 12.959/2014. A inauguração da La Nostra Cantina, registrada no Programa Estadual de Agroindústria Familiar (PEAF/SDR), ocorreu nesta quarta-feira, dia 8, oportunidade em que também foi comemorado o aniversário de 55 anos da Emater em Garibaldi.

Para a adequação da agroindústria à Lei do Vinho Colonial, um dos critérios é o registro no PEAF, em que o papel da Emater é fundamental para a orientação ao produtor. Além desta, há mais quatro agroindústrias de vinho colonial sendo legalizadas no município.

“Esta nova lei traz muito alento e vai transformar o negócio de muitos produtores”, avalia o chefe do escritório da Emater de Garibaldi, Vanderlei Cercatto. “Mais indústrias como esta podem melhorar muito o setor e estimular o cultivo de uvas de qualidade”, acrescenta.

A importância da legalização para a permanência da família no campo foi lembrada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Garibaldi, Luciano Rebelatto, que reafirmou o desejo de contar com mais vinícolas deste porte no município.

A gerente regional da Emater da região Caxias do Sul, Sandra Dalmina, destacou a parceria e envolvimento entre entidades para viabilizar a adequação do empreendimento, bem como a criação de políticas públicas nesse sentido.

O vice-prefeito Antonio Fachinelli e o secretário estadual de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Tarcisio Minetto, parabenizaram o aperfeiçoamento da família para ser uma das primeiras a ser certificada no Estado.

Emocionado, o produtor anfitrião Aldo Lazzari agradeceu a presença dos convidados e revelou o desejo de aumentar a produção de 14 mil para 20 mil litros na próxima safra, com a ajuda do trabalho da esposa Adriana e do filho Guilherme.

A chamada Lei do Vinho Colonial tem o objetivo de tirar os produtores da informalidade. Para obter o registro, eles devem produzir menos de 20 mil litros ao ano, as uvas devem ser de cultivo próprio, o vinho pode ser vendido na propriedade e em feiras municipais e as notas podem ser emitidas pelo talão do produtor, além de se cadastrar no PEAF.

55 anos da Emater em Garibaldi

Entidade responsável por orientar os produtores rurais em todo o Brasil, inclusive para a formalização das agroindústrias familiares, a Emater/Ascar aproveitou o encontro para celebrar os 55 anos de seu escritório no município.

Ao lembrar o histórico da entidade, Vanderlei Cercatto avaliou a transformação na agricultura no período. “Vimos a mudança do machado para a motosserra, da mangueira para o trator de pulverização. E a Emater esteve sempre presente”, destacou.

Como Cercatto, Sandra Dalmina também lembrou a função da Emater de facilitar e atender às demandas dos agricultores.

“Propriedades rurais que sonhavam em ter energia elétrica, há algumas décadas, hoje têm internet e acessos asfaltados”, avalia o vice-prefeito Fachinelli. “O aumento da produtividade dos empresários do campo e o desenvolvimento de Garibaldi tem muito a ver com o trabalho da Emater”, completou.

O secretário Minetto lembrou que a entidade está presente em quase 100% dos municípios gaúchos, com o papel de transmitir o desenvolvimento e promover a transformação. “O melhoramento da cadeia da uva e vinho gera oportunidades de permanência no campo”, lembrou.

Pelos seus 55 anos em Garibaldi em 2018, a Emater/Ascar será homenageada nas comemorações da Semana da Pátria, no próximo mês, junto ao Rotary Club Garibaldi, que completa 60 anos.

Foto: Priscila Pilletti



Deixe uma resposta