VOLTA DAS AULAS NO RIO GRANDE DO SUL ESTÁ PREVISTA PARA O DIA 31 DE AGOSTO

0

O governo do Estado apresentou a prefeitos, nesta terça-feira (11), uma sugestão de cronograma de volta das aulas presenciais em todos os níveis de ensino, de forma escalonada, entre o fim de agosto e a metade de outubro. Segundo os prefeitos, o governo do Estado propõe que a volta das aulas comece pela Educação Infantil, tanto privada quanto pública, a partir de 31 de agosto.

– A ideia do governo é um retorno gradual das aulas, iniciando no final deste mês pela Educação Infantil. É uma proposta muito vaga do governo. O problema não é data de retorno, mas como se dá o retorno. O primeiro é se temos segurança suficiente para retornar. Não nos parece que haja segurança para retornar – destacou Maneco Hassen, presidente da Famurs.

Na sequência, estariam autorizados a voltar às salas de aula os estudantes e professores de todas as redes de Ensino Superior, a partir de 14 de setembro.

O cronograma prevê ainda que os ensinos Médio e Técnico seriam autorizados a partir da semana seguinte, 21 de setembro. Uma semana depois, a partir de 28 de setembro, poderia voltar às salas os alunos dos anos finais do Ensino Fundamental.

Os anos iniciais do Ensino Fundamental seriam os últimos a serem retomados, a partir de 8 de outubro, ainda conforme informações dos prefeitos.

Conforme a assessoria de imprensa do Palácio Piratini, de acordo com a proposta, o retorno seria permitido apenas para municípios sob bandeira amarela e laranja, respectivamente, risco baixo e médio para coronavírus.

As aulas em creches, pré-escolas e escolas estão suspensas no Rio Grande do Sul desde março. No Ensino Superior, há permissão para disciplinas práticas e laboratoriais de fim de curso.
Cronograma proposto pelo governo do Estado
31/8 – Educação Infantil (público e privado)
14/9 – Ensino Superior (público e privado)
21/9 – Ensino Médio e Técnico (público e privado)
28/9 – Ensino Fundamental – anos finais (público e privado)
8/10 – Ensino Fundamental – anos iniciais (público e privado)

Fonte: Gaúcha ZH