Transpantaneira no Mato Grosso – Um contato direto com a mãe natureza

0
281
ATR Turbo-Hélice da Azul
 

Um viagem pelo Mato Grosso é algo encantador e realmente diferente, que vem crescendo e tendo cada vez mais turistas do país e do exterior. Não é por menos: o estado é rico em biodiversidade, sendo cortado por três biomas distintos. Para quem deseja conhecer o pantanal, é preciso descobrir sobre o principal acesso que é a Transpantaneira, a fantástica Transpantaneira.

A Empresa AZUL faz o percurso Cuiabá-Porto Alegre a bordo de uma das relíquias da empresa, a aeronave Turbo-Hélice ATR 72-600, com uma linda vista de 7.500 metros de altura. Você precisa voar !! É fantástico.

 

Portal de Entrada da Transpantaneira – Foto: Claudir Benini

Transpantaneira, e algumas curiosidades.

A rodovia foi criada na época em que o Brasil vivia um “milagre econômico”. Essa história começa nos anos 1970, com o objetivo de transformar a planície em uma rodovia que recebesse os produtos da agricultura.

Mas o plano original falhou e hoje a estrada é uma maneira de os turistas observarem a riqueza natural sem depredar o ecossistema pantaneiro.

Não é ao acaso que a Transpantaneira é importante para quem se desloca pelo Mato Grosso. A via é monumental: são 145 km de terra (apesar de alguns trechos estarem asfaltados) e 125 pontes que possibilitam a travessia entre Poconé e o distrito de Porto Jofre, o qual está na divisa com o Mato Grosso do Sul.

  Você pode estar se perguntando por que uma estrada deve ser conhecida, não é mesmo? Porém, a pergunta tem uma simples resposta: a Transpantaneira é extraordinária porque corta o pantanal e com ela milhares de animais exóticos exuberantes podem aparecer na sua frente, do nada. Dando uma impressão que a Mãe natureza mora ali.

 

 

 

 

 

As planícies alagadas às margens da rodovia são o verdadeiro habitat de jacarés, capivaras, garças, veados, gaviões, martins -pescador e outros animais da selva. Damos a sorte de topar com uma família de capivaras que dominam o local e desfilaram atravessando a Trasnpantaneira.

Parque da Araras – Foto: Claudir Benini
Parque das Araras – Foto Claudir Benini
Parque das Araras – Foto Claudir Benini

Se você escolher visitá-la no período da seca, que se estende de abril a novembro, vai dar de cara também com araras e tucanos no céu mato-grossense.

A dica para quem vem de longe e para quem mora na região do Centro-Oeste é sair de Cuiabá de carro, uma vez que Poconé está a 100 quilômetros da capital estadual.

 

 

 

Por do sol em um dos rios do Mato Grosso (não gravei o nome)

Como a pista quase não tem curvas, você logo chegará ao seu destino, observando a vista adorável na janela. E para admirar melhor as belezas do pantanal, nada como a infraestrutura hoteleira!

Existe uma opção para você curtir o ecoturismo e conseguir relaxar o máximo de tempo no pantanal. Para quem está fazendo o trajeto pela Transpantaneira, a Rede Paiaguás de Hotéis  é minha indicação, pois está em diversos pontos que são de extrema facilidade de locomoção, sem contar com a total infra-estrutura aliando sempre bom gosto e praticidade, o Paiaguás Palace Hotel está localizado em umas das principais avenidas de Cuiabá/MT, próximo ao centro político administrativo, instituições financeiras, bancos, hospitais como o Hospital São Mateus e a Clínica Femina e Amecor, Shopping center Pantanal e centros estéticos. Além disso, a diária (onde check-in pode ser feito desde as 9h) já inclui todas as refeições com comida regional e passeios de barco, caminhada, cavalgada e trilhas para você se sentir próximo da natureza.

Dança dos Mascarados – Foto: Claudir Benini

DANÇA DOS MASCARADOS

Dança executada durante a Cavalhada em Poconé. E uma apresentação composta apenas por homens – adultos e crianças. Tem esse nome por executarem a dança com mascaras de arame e massa. O ritmo é instrumental com o uso de saxofone, tuba, pistões pratos e tambores. O município de Poconé é o único do Brasil a realizar esse espetáculo.

Neste texto, você entendeu a história, a extensão e outras curiosidades sobre a rodovia MT-060, popularmente chamada de Transpantaneira. Além disso, descobriu como chegar até lá e qual opção de hospedagem escolher para observar de pertinho esse bioma único no país.

Casal de TUIUIUS – Foto: Claudir Benini

O TUIUIU – A Ave gigante do Pantanal.

Também conhecido como jaburru, jaburu, tuim-de-papo-vermelho (no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul) e cauauá (no Amazonas). O tuiuiú é considerado a ave-símbolo do Pantanal onde é a maior ave voadora. No sul do Brasil, é conhecido principalmente como jabiru, enquanto que o nome tuiuiú é usado para designar o cabeça-seca (Mycteria americana).

O tuiuiú é uma ave pernalta, tem pescoço nu, preto, e, na parte inferior, o papo também nu e vermelho. A plumagem do corpo é branca e a das pernas é preta. Ele chega a ter 1,4 metros de comprimento 1,60 de altura, e pesar 8 kg. Pode chegar a quase 3 metros de envergadura(medida de uma ponta da asa aberta à outra). O distância do bico tem 30 cm, é preto e muito forte e a fêmea, geralmente, é menor que o macho.

É uma cegonha; como tal, voa com seu pescoço e pernas esticados, ao contrário das garças e seus pescoços encolhidos durante o vôo.

TUIUIU captado a noite – Foto: Claudir Benini

Após desbravar uma das principais vias de acesso à fauna e à flora do pantanal, que tal mostrar aos seus amigos essa maravilha do nosso país compartilhando este artigo nas suas redes sociais? Mete o dedo no celular ai e divulgue. Mato Grosso agradece.

 

Jornalista Presidente da AJOBTUR Brasil – Associação de Jornalistas e Blogueiros de Turismo do Brasil. www.ajobtur.com.br

Claudir Benini Reg.Prof. MTB/DRT 15972RS