Bandeira Preta na próxima semana na Serra Gaúcha

0
156

Em em meio à piora nos indicadores da pandemia de coronavírus, o governo do Rio Grande do Sul divulgou nesta sexta-feira (19) o novo mapa provisório do distanciamento controlado, com bandeira preta (altíssimo risco) em 11 das 21 “Regiões Covid”, número recorde. O plano inclui restrições mais severas às atividades, incluindo suspensão de aulas presenciais.

A configuração da 42ª rodada do modelo de distanciamento foi anunciada no início da noite pelo governador Eduardo Leite, em transmissão ao vivo nas redes sociais, e também prevê suspensão de atividades não essenciais das 22h às 5h, entre este sábado (20) e o dia 1º de março.

De um modo geral, as atividades não essenciais ficam suspensas ao menos durante esse período, independente da bandeira sob a qual a região estiver classificada. As regras devem ser detalhadas de forma mais completa por meio de um decreto estadual com publicação prevista para este sábado no Diário Oficial do Estado.

Também está determinado que bares e restaurantes só podem atender à clientela por meio dos sistemas de tele-entrega e pegue-e-leve. Isso vale para as demais dez áreas do mapa, essas na cor vermelha.

O objetivo principal é evitar aglomerações e, com isso, tentar reverter curvas ascendentes da pandemia no Estado. As 11 bandeiras pretas abrangem 68,4% da população gaúcha.

As regiões em bandeira preta nesta edição do mapa são Porto Alegre, Canoas, Capão da Canoa, Caxias do Sul, Erechim, Lajeado, Novo Hamburgo, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Santa Cruz do Sul e Taquara.

Prefeituras e associações regionais têm até este domingo (21) para enviar recurso contra o mapa preliminar. Como de praxe, o Palácio Piratini divulgará na tarde de segunda-feira a configuração definitiva. As regras entrarão em vigor a partir do dia seguinte, embora – conforme mencionado – algumas diretrizes passam a valer antes.

Cenário inédito

Até então, o Rio Grande do Sul só havia passado por duas rodadas com bandeira preta: na 32ª semana do modelo de distanciamento (15 a 21 de dezembro, em duas regiões) e na 35ª rodada (5 a 11 de janeiro, em uma área do Estado).

“Esse o pior cenário no Rio Grande do Sul desde o registro do primeiro caso de coronavírus, em março de 2020”, lamentou Eduardo Leite. “Não imaginávamos enfrentar um momento assim, após as duas primeiras ondas de coronavírus [no ano passado]”.

Ele frisou mais de uma vez, porém, que a situação não envolve um toque-de-recolher. Isso porque o alvo das restrições são as atividades, e não a circulação das pessoas – embora o objetivo seja mesmo ampliar os níveis de distanciamento e isolamento social.

Retomada das aulas

A retomada de aulas presenciais está suspensa nas regiões de bandeira preta. Como muitas escolas haviam previsto começar já nesta segunda-feira (21), a recomendação é para que não iniciem. Já nas cidades sob o status vermelho, a retomada das atividades de ensino presenciais continuará permitida, ao menos até segunda ordem.

As instituições de ensino, em regiões com bandeira preta, poderão funcionar em regime de plantão, para distribuição de materiais e de conteúdo, a fim de que estudantes que não tenham acesso à internet possam seguir os estudos.

Suspensão de atividades

Para garantir o cumprimento do decreto que estabelecerá a suspensão geral de atividades, o governador gaúcho convocou todas as forças de segurança pública. Junto ao seu vice e também titular da Secretaria responsável pelo setor, Ranolfo Vieira Júnior, uma videoconferência com os comandos das corporações alinhavou as ações com essa finalidade.

A Brigada Militar fará uma rearticulação operacional dos efetivos para garantir a presença ostensiva, no máximo possível, nas ruas de todos os municípios do Estado. O foco principal será a desmobilização de qualquer aglomeração em via pública, bem como garantir o impedimento de atividades não essenciais no horário determinado.

A corporação também já iniciou contato com prefeituras para alinhar as ações de fiscalização em parceria com as guardas municipais, de forma a otimizar o aproveitamento dos efetivos empregados no trabalho.

A Polícia Civil também vai auxiliar na presença ostensiva com todas as viaturas disponíveis e estará com plantões nas delegacias para os procedimentos de polícia judiciária. A determinação da chefia de Polícia é para que em todos os casos de descumprimento das determinações do decreto, os infratores sejam conduzidos a uma delegacia para autuação.