A poupança perde para a inflação em 2020 e tem a pior rentabilidade em 18 anos

0
226
 

Com a inflação oficial do País fechada em 4,52% em 2020, a caderneta de poupança encerrou o ano sem ganho real, com um retorno negativo de 2,30%, descontando o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) do período, de acordo com levantamento da Economatica. Trata-se da pior rentabilidade desde 2002, quando o retorno anual foi de -2,90%.

Esse foi também o segundo ano seguido em que o rendimento do investimento perdeu para a inflação. Em 2019, a poupança teve uma perda real de 0,05%, descontado o IPCA. Antes, a última vez que isso havia acontecido foi em 2015 (-2,28%).

A perda de rentabilidade está diretamente relacionada ao novo patamar de juros do País. Com a Selic (taxa básica de juros) na sua mínima histórica de 2% ao ano, tanto a poupança quanto outros investimentos de renda fixa tiveram os rendimentos achatados em 2020.

Pelas regras atuais, a poupança tem um rendimento correspondente a 70% da taxa Selic. Ou seja, passou a render 1,4% ao ano ou 0,12% ao mês. Vale lembrar, porém, que depósitos feitos na poupança até maio de 2012 continuam rendendo 6,17% ao ano, mais do que o triplo da Selic. É a chamada “velha poupança”, que segue como uma boa opção de investimento.

Para 2021, o mercado financeiro aumentou para 3,34% a previsão de inflação, segundo o último Boletim Focus divulgado pelo Banco Central. Os analistas também passaram a projetar a Selic em 3,25% no final de 2021 e em 4,75% em 2022.

Comparativo de investimentos em 2020

O levantamento da Economatica mostra que o CDI e o Ibovespa também tiveram rentabilidade negativa em 2020, descontando a inflação medida pelo IPCA. O melhor desempenho foi do ouro, seguido pelo euro. Veja abaixo o comparativo:

  • Ouro: 49,19%
  • Euro: 34,69%
  • Dólar: 23,36%
  • Ibovespa: -1,53%
  • CDI: -1,68%
  • Poupança: -2,30%

Diferente dos outros investimentos do comparativo, entretanto, os rendimentos da caderneta de poupança são isentos do pagamento de Imposto de Renda.

160 anos

A aplicação financeira mais utilizada pelos brasileiros completa nesta terça-feira (12) 160 anos. Poucos sabem, mas a caderneta de poupança significou, ao longo da história, importante papel para muitas pessoas alcançarem liberdades que vão muito além da questão financeira.

Ao ser criada, na cidade do Rio de Janeiro em 1861, com o propósito de “recolher os depósitos de poupança popular no Brasil”, a Caixa Econômica deu o primeiro passo para se tornar “a opção de investimento mais segura, acessível e adequada a todos os perfis, desde os pequenos poupadores a grandes investidores”, explicou o próprio banco, por meio de sua assessoria. Onze anos depois, com a publicação do Decreto nº 5.153, de 13 de novembro de 1872, a Lei 2.040, publicada um ano antes, foi regulamentada, de forma a possibilitar o recolhimento de depósitos feitos por escravos.

Fonte: O sul